AOS HERÓIS DA PÁTRIA!


Até 1930 predominava no Brasil a “República do Café com Leite”, onde os Estados de São Paulo e Minas Gerais se revezavam na presidência do país, isso ocorria pelo fato de serem os Estados mais desenvolvidos economicamente e com as maiores populações.

O Paulista Washington Luiz era o presidente na época e terminando seu mandado deveria nomear um Mineiro à Presidência, mas após conquistar o apoio de 17 dos 20 Estados daquela época, nomeou o Paulista Dr. Júlio Prestes à Presidência.

Insatisfeitos, os mineiros romperam sua aliança com os paulistas e uniram-se com o Rio Grande do Sul e Paraíba para lançar o Gaúcho Getúlio Vargas a concorrer a Presidência com o Dr. Julio Prestes.

As eleições presidenciais ocorreram em 1 de março de 1930 e Julio Prestes obteve uma vitória esmagadora sobre Getúlio Vargas, principalmente em São Paulo com 91% dos votos.

Mas as coisas não seriam tão fáceis assim, pois a aliança Getulista (Minas, Paraíba e Rio Grande do Sul) antes das eleições já articulavam alianças com as Forças Armadas e com uma minoria dos Paulistas representados pelo PD (Partido Democrático), que, aliás, conseguiram os 9% dos votos restantes para Vargas.

O então Senador de São Paulo Cândido Nogueira da Motta, em um discurso profético na bancada do senado em setembro de 1929, disse: 

“A guerra anunciada pela chamada Aliança Liberal não é contra o Sr. Júlio Prestes, é contra nosso estado de São Paulo, e isso não é de hoje. A imperecível inveja contra o nosso deslumbrante progresso que deveria ser motivo de orgulho para todo o Brasil. Em vez de nos agradecerem e apertarem em fraternos amplexos, nos cobrem de injúrias e nos ameaçam com ponta de lanças e patas de cavalo!” 

O Senador Carioca Irineu Machado não só previu uma Revolução como também uma reação dos Paulistas: 

“A reação contra a candidatura do Dr. Júlio Prestes representa não um gesto contra o presidente do estado, mas uma reação contra São Paulo, que se levantará porque isto significa um gesto de legítima defesa de seus próprios interesses!” 

Em 3 de outubro de 1930 estourou a Revolução, os rebeldes dos Estados Aliados rumaram a Capital Federal, depuseram o então Presidente Washington Luiz e Getúlio Vargas tomou o poder, sendo nomeado chefe do “Governo Provisório”, ele dissolveu o Congresso Nacional, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais, destituiu Governadores e revogou a vigente Constituição Federal de 1891 que foi promulgada por Rui Barbosa e que garantia a autonomia dos Estados. 

O que era para ser um Governo Provisório parecia ser “ad eterno”, o PD (Partido Democrático), composto pela minoria paulista que apoiou Getulio Vargas, estava insatisfeito com o Governo, pois Vargas não estava honrando os compromissos firmados com eles, entre os quais, novas eleições para eleger uma Assembleia Constituinte, todas as tentativas de acordo fracassaram, quando então, todos os partidos paulistas se uniram formando a FUP (Frente Única Paulista), e através da imprensa escrita, rádio e comícios, inflamaram o povo paulista com a chama da Revolução e com ideais de um Estado Democrático e, incendiados com frases motivadoras e impactantes de seu líder Julio Prestes foram às ruas: 

“O que não compreendo é que uma nação, como o Brasil, após mais de um século de vida constitucional e liberalismo, retrogradasse para uma ditadura sem freios e sem limites como essa que nos degrada e enxovalha perante o mundo civilizado!” (Júlio Prestes)

Em 23 de maio de 1932, o coração de São Paulo sangrava de tristeza e impunidade, na Praça da República, em uma manifestação pública composta principalmente por estudantes de Direito que reivindicavam uma nova constituição, a Polícia entrou em confronto com os manifestantes, o que resultou no assassinato de quatro jovens estudantes, Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo (MMDC), esta sigla deu nome a organização secreta que planejou a Revolução Armada que teve inicio em 9 de julho e término em 2 de outubro de 1932 em que o Estado de São Paulo com 40 mil soldados paulistas lutou contra o Governo Federal com um exército de 300 mil homens, uma guerra desigual, mas por uma causa justa. 

Perdemos, mas de cabeça erguida!

Perdemos a guerra armada, mas ainda saímos vencedores, pois o propósito da Revolução foi alcançado, o Presidente Ditador Getulio Vargas convocou a Eleição Constituinte, São Paulo conquistou 17 das 22 vagas da bancada Paulista no Congresso Nacional o que resultou na promulgação da Constituição Federal de 1934.  

São Paulo perdeu a guerra civil, mas o Brasil ganhou a Democracia. 

Dados oficiais estimam que 634 combatentes das forças Paulistas morreram e 15 mil ficaram feridos ou multilados, extraoficialmente, calcula-se que mais de 1000 faleceram. 

O feriado de 9 de julho serve para que nós, Paulistas, possamos reviver em memória a história da maior guerra civil do nosso país promovida por nosso povo e que rendeu tantos frutos a toda nação brasileira, serve para nos orgulharmos de sermos Paulistas e que vivemos no Estado mais desenvolvido e com a economia mais forte do país, não devemos baixar a cabeça nem nos dar ao luxo de não nos envolvermos no processo político do nosso Estado e Cidade, o voto nulo ou em branco é a maior falta de respeito aos paulistas que lutaram e morreram pela democracia e combateram a ditadura Getulista.

Combatamos hoje a Ditadura “Lulista” que impera em nosso país. 

Votem! E votem conscientes!



Bibliografia:

José Alfredo Vidigal Pontes, “1932, o Brasil se Revolta”, Ed. Terceiro Nome;

Armando Moraes Delmanto, “A História da Vitória Política Paulista”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carajás e Tapajós...Vale a pena?

SP2040 - A Cidade que Queremos

Conta de Energia Elétrica mais barata!