Carajás e Tapajós...Vale a pena?


No próximo dia 11 de dezembro a população paraense decidirá através de um plebiscito a criação de dois novos Estados Brasileiros (Carajás e Tapajós), resultante de um desmembramento do Estado do Pará, quero fazer uma análise para reflexão sobre a importância desse assunto para nós brasileiros e principalmente a população Paulista. Para melhor entendimento, vai aí um pouco de história útil.
O Brasil sempre adotou um sistema centralizador para a criação de seus Estados, ao contrário dos Estados Unidos (EUA) que desde a sua independência adotou um sistema autônomo para a criação dos Estados. Inicialmente, quando conquistou a sua independência, apenas 13 Estados (colônias) assinaram a carta de independência e posteriormente, conforme as outras colônias tornavam-se auto-suficientes aderiam ao movimento de independência, talvez esteja aí a receita para o sucesso dos EUA.
No Brasil, por exemplo, o PIB (Produto Interno Bruto) de cada Estado é repassado ao Governo Federal que repassa os recursos proporcionalmente a cada Estado, dessa maneira os Estados com PIB maior são desfavorecidos em relação aos de PIB menor, simplificando, PIB é a capacidade de auto-sustentabilidade, um Estado que recebe recursos maiores do que o PIB repassado ao Governo Federal não subsiste sem depender dos outros Estados.
Tente comparar São Paulo a Madri ou a Lisboa, temos uma economia mais forte que a Espanha e Portugal, se o Estado de São Paulo fosse um País certamente estaria no G10, mas porque estamos tão atrás em desenvolvimento dessas capitais européias? Simples, porque São Paulo, responsável por 33,1% do PIB Brasileiro, não recebe em recursos nem metade do que repassa ao Governo Federal, fazemos uma espécie de “sacrifício expiatório” pelos outros Estados Brasileiros. Agora imagine a criação de dois novos Estados nesse sistema centralizador adotado no Brasil. Quer dizer que são mais dois novos Estados para dividir os recursos, mais dois Estados para a Região Sul e Sudeste “sustentar”. Entendo que para desmembrar-se e formar mais dois novos territórios, o Estado do Pará que é responsável por apenas 1,9% do PIB Brasileiro, deveria primeiro tornar-se auto-sustentável, o Brasil já cometeu esse erro anteriormente, primeiro na forma que dividiu seu território e depois na criação de Tocantins e a divisão do Mato Grosso.
Não é que não aprendemos a lição, é que há interesses em jogo, os “coronéis” da Região Norte tem muito interesse no recebimento de novos recursos do Governo Federal para a criação de milhares de cargos públicos, secretárias, poder legislativo, judiciário e muito mais.
No dia 11 dezembro de 2011 haverá um plebiscito no Estado do Pará e a população Paraense dará o seu voto a favor ou contra. Como a criação destes Estados afetará o desenvolvimento de todos os Estados Brasileiros, entendo que o plebiscito deve ser para todo o País, todo cidadão brasileiro tem o direito de votar, eu voto contra!
Há pessoas que defendem e outras que são contra, veja o vídeo abaixo e deixe a sua opinião:
 
Fonte:

Comentários

  1. Daniel Vargas02/08/2011 00:59

    Realmente, a criação de novos cargos públicos, mais mamata, mais desvio de verbas. Esse vai ser o resultado final. Não havia pensado pelo lado do PIB e acho que tem razão. Infelizmente, como muitas coisas no Brasil, sabemos o final desastroso e ainda assim vamos em direção a ele. Não sei se esta divisão vai para frente, mas seria mais um absurdo patrocinado por todos nós. Lembremos que trabalhamos até abril somente para pagar impostos. Brasil, país da corrupção.

    ResponderExcluir
  2. A ideia de gerar empregos é sempre bem vinda, mas acredito que não é necessária a criação de mais 2 estados no Brasil para isso. O que é realmente necessário aqui é uma maior consciência política. Os brasileiros precisam aprender votar. Enquanto isso não acontece, os políticos corruptos deitam e rolam, e desviam a atenção do povo para assuntos que não resolvem nada, na maioria das vezes piorando tudo, como é o caso da criação desses novos estados. Aqui, tenho certeza que isso não funciona. Não só o Pará, mas todos os outros estados merecem administrações competentes e honestas, e isto só vai acontecer quando o brasileiro aprender a votar em políticos competentes e HONESTOS.

    ResponderExcluir
  3. Minha opinião é: Vários empregos serão gerados, muitos concursos serão feitos. Os municípios do interior do Pará pedem a divisão por serem esquecidos, pelo descaso do governo do estado. Com a divisão do estado a população terá mais chances de correr atras e cobrar seus direitos, do jeito que está é que não pode ficar. Pra se ter uma ideia, o Pará é enorme ... para os representantes de municípios "esquecidos pelo estado" cobrarem alguma coisa do governo, eles tem que enfrentar uma viagem de mais de 1000 km para chega no estado.

    ResponderExcluir
  4. Com relação a corrupção, criação de mais cargos políticos ... isso é verdade, o Brasil não vai mudar. Criando ou não os novos estados a roubalheira vai continuar. Vários estados foram criados (Ex: Tocantins) e nem por isso o mesmo vive em crise.

    ResponderExcluir
  5. O Estado do Tocantins durante 10 anos dependeu do Governo federal para se sustentar, hoje ele é auto-suficiente.
    Não vai ser diferente com dois novos Estados, serão sustentados pelo Governo Federal, ou seja, com os recursos dos Estados mais ricos da União.
    Há outras maneiras para solucionar esse problema de esquecimento das regiões mais longíquas e "esquecidas", por exemplo: uma verba específica para essas regiões.
    Acho que é muito egoísmo querer tirar recursos de um lugar pobre para colocar em outro, no Ceará por exemplo tem muitas cidades pobres e "esquecidas", não é justo cortar os recursos de lá para criar um novo Estado no Pará.

    ResponderExcluir
  6. "Sou contra porque não é gerando mais custos, ou seja, mais 2 assembleias, mais 2 executivos etc... que o Pará resolverá seus problemas.
    Falta é vontade poltica" (Via Twitter, @maragabrilli).

    ResponderExcluir
  7. Observo que tanto o artigo quanto os comentários anteriores foram feitos baseados na falta conhecimento que seus autores teem do Estado do Pará e, principalmente, das regiões Oeste (Tapajós) e Sul (Carajás). Certamente se as conhecem não diriam que suas emancipações irão onerar a união tirando dinheiro dos demais estados brasileiros e muito menos que estamos em busca de cargos políticos e emprego nos órgãos públicos. O verdadeiramente move o sentimento de emancipação é o fato das maiores riqueas do Pará estarem concentradas nestas duas regiões e o governo encontra-se a mais de 1000 km de distância. Aqui na região Suldooeste do Pará, precisamente em Itaituba, o nosso Ouro está sendo contrabandeado para a Colômbia, a madeira extraída irregularmente, a pavimentação das BR 163 (Santarém/Cuiaba) e 270 (Transamazônica) nunca saem dos discursos, enquanto a população sofre pela falta de investimentos na educação, saúde, saneamento básico e infraestrutura em geral, como consequências do descaso dos políticos paraenses, que em sua maioria estão concentrados em Belém e região metropolitana. Aqui no Pará, os líderes contrários a criação dos novos estados são os próprios políticos detentores de mandatos que não querem perder as nossas riquezas, cujos impostos são aplicados somente na capital e região, nem tampouco seus currais eleitorais que só visitam em época de eleição. Estudos de instituições sérias, como a Fundação Getúlio Vargas, a própria Universidade Federal do Pará, comprovam que o Oeste e o Sul do Pará possuem viabilidade econômica e são auto sustentáveis. A criação dos Estados do Tapajós e Carajás será melhor para nós que teremos nossos governantes mais próximos, teremos como cobrá-los; será melhor para o Pará remanecente que terá um menor território para administrar, será melhor para o Brasil que terá a Amazônia mais mais segura e protegida da grilagem estrangeira que hoje rouba as nossas riquezas.
    Não sou político. Sou Jornalista, resíduo em Itaituba e voto 77. Digo SIM ao Estado do Tapajós!

    ResponderExcluir
  8. bom pessoal eu sou paraense nato mais eu moro no suldeste do meu estado a renda e má destribuida nos orgãos publico aqui não em honestidade politica mais creio que politicos podem mais ajudar doque atrapalhar as vezes concordam então vamos direto ao assunto aqui no meu estado a renda que o PIB do estado do PA e má destribuida pelo o fato do estado ser muito grande e dificul de administrar o governo atual jatene já tinha dito que difiul governa um estado dece tamanho então oque vai acontecer nossas regiões são bem populosas apesar de não haver grandes cidades igualmente na capital mais o numero de cidaões do Oeste do estado e Sul e Suldeste do estado onde a população e bem maior resolveu se emancipar devido a ma distribuição de verba eu so a favor da divisão irei votar a favor e nada neste mundo na face da terra nem se deus me obrigace a votar a contra nunca iria votar contra porque sou a favor EU SO AVOR DA DIVISÃO EM LETRAS MAIUSCULAS SIM 77 MEU VOTO E 77 SE VCS ACHAM QUE VAI HAVER MAIS ROUBO EÉ PORQUE ESTÃO SE DUENDO E QUERIA ESTAR NO LUGAR DO POLITICO CORUPTO QUERENDO ROUBAR TAMBEM FUI VBEM CLARO PRA QUEM É CONTRA A DIVISÃO DO ESTADO.

    ResponderExcluir
  9. Caro Francisco,
    Muito obrigado por sua participação em meu Blog, você ajudou a criar um debate sobre o tema do artigo que até então era apenas uma discussão unilateral.
    O que você disse tem fundamento e concordo em boa parte com o que falou, assim como há razões para que se divida o Estado do Pará, também há razões para que se não divida, por isso devemos defender nossa opinião como tem sido feito, ainda bem que vivemos em um País democrático. Meu artigo foi baseado em dados do IBGE e no estudo de economistas envolvidos no assunto, por isso as informações são confiáveis e isso serviu apenas para reforçar minha opinião.
    Durante dois anos vivi no Estado do Pará, fui voluntário na prestação de serviços humanitários e trabalhei em regiões muito pobres, conheci pessoas maravilhosas nas cidades de Ananíndeua, Marituba, Mosqueiro, Santarém, Óbidos, Oriximiná e Belém, o paraense é um povo que se orgulha muito de ser paraense, tenho muitos amigos daí, conheço a cultura desse povo, suas comidas (que eu adoro), conheço suas condições de vida, mas nem por isso minha opinião é motivada pela paixão, mas sim pela razão, pela coerência, independente de ser o Estado do Pará ou qualquer outro. E é assim que eu espero que o povo paraense decida nas urnas esse assunto tão importante para todo o Brasil, pela razão e não pela paixão.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. "Sou contra qualquer novo Estado ou Municipio!"
    (Via Twitter, @WalterFeldman)

    ResponderExcluir
  11. A COERÊNCIA VENCEU!
    Com mais de 60% dos votos a maioria rejeitou a divisão do Estado do Pará em plebiscito!!!
    Valeu a pena receber tantas criticas por minha posição...ta ai quem vai questionar?

    ResponderExcluir
  12. Teria que tê sido dividido mesmo aquele estado dos coronéis, porque aquela região somente quem sofre é o povo pobre. Vamos dá um exemplo eu sou a favor da divisão de Minas Gerais ( Vale do Jequitinhonha e Triângulo Minero ).

    Como bem eu sou a favor da divisão do Rio Grande do Norte, um pequeno estado mas como muitos coronéis mandando em suas residências lá de Natal. A divisão seria a criação do estado Potiguar em toda área da região do Seridó e Região de Mossoró. Bom dia! Jose Gomes POTIGUAR

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SP2040 - A Cidade que Queremos